Posted on Deixe um comentário

Gatos: o que eles fazem quando não estamos em casa?

O que o seu gato faz quando está sozinho?

Quem já instalou câmeras de segurança em casa sabe o que os gatos mais fazem quando estão sozinhos. Eles dormem. Na verdade, passam assim a maior parte do tempo. Eventualmente acordam, espreguiçam, exploram o ambiente, comem, bebem água e usam a caixa de areia. Isso vale para a maioria dos gatos adultos que passam dormindo até 16 horas por dia, quer estejamos fora ou não.

Se existem outros felinos na casa, dependendo de como se relacionem, os gatos podem brincar e dormir juntos ou permanecer cada um no seu canto. É bom que, independentemente de terem companhia, tenham áreas e objetos que lhes sirvam de estímulo a se movimentar e exercitar os músculos, pois com a idade eles se tornam menos ativos e propensos ao sobrepeso. Ao tédio também.

Quando voltamos para casa todos os dias em determinado horário, nossos gatos tendem a se movimentar algum tempo antes da nossa chegada. A rotina, por sinal, faz bem a eles, especialmente quando são medrosos e arredios. Traz conforto e sensação de segurança.

Diferentemente dos cães, os gatos domésticos não têm o hábito de ir na rua e sair de casa, em geral, é motivo de forte estresse para eles. Levá-los para hotéis ou para a casa de amigos quando viajamos não costuma ser, portanto, a alternativa mais adequada. O melhor é mantê-los em casa, no ambiente cujos cheiros já conhecem, com água e comida na quantidade necessária. Isso é tudo? Certamente não.

Todos sabem que os gatos são animais independentes e essa característica é eventualmente superestimada, como se para os gatos a nossa presença e interação com eles não fosse importante. Mas é. Quando deixados muito tempo sozinhos ou muito frequentemente, os gatos domésticos apresentam tédio e ansiedade, e podem até desenvolver doenças. Esses seres independentes e altivos não são nem um pouco indiferentes ao nosso carinho e atenção. Quanto mais carinho recebem, quanto mais brincamos e falamos com eles, mais forte se torna o vínculo afetivo deles conosco. Gatos que recebem mais atenção tornam-se mais tranquilos e carinhosos, se já não são. Também vocalizam mais e passam mais tempo conosco. Enfim, vão ficando muito mais parecidos com os cães sem nunca deixar de ser gatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *